segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Das mãos soava o violão
que muito surpreendia.
Da voz soava a admiração
que sempre advertia.
Dos gestos surgia a afeição
quem sempre acolhia.
Da vida surgiu a ambição.
Da morte a aflição.