terça-feira, 9 de setembro de 2008

Pablo Neruda

"Yo volví del fondo del mar
odiando las cosas mojadas;
me sacudí como los perros
de las olas que me querían
y de repente me sentí
contento de mi desembarco
y únicamente terrestre.

Los periodias dirigieron
su maquinaria extravagante
contra mis ojos y mi ombligo
para que les contara cosas
como si yo hubiera muerto,
como si fuera un vulgar
cadáber especializado,
sin tomar en cuenta mi ser
que me exigía caminar
antes de que yo regresara
a mis costumbres espantosas:
estuve a punto de volver
a sumergirme en la marea.

Porque mi historia se duplica
cuando em mi infancia descubrí
mi depravado corazón"

domingo, 7 de setembro de 2008

Nota de Expiração

"E ele expirou" no dia 6 de setembro de 2008. Manuel pai de Bhisma, grande amigo de infância, nos deixa... em uma vinda, se vai. Cada vez que tenho que lidar com a morte percebo o quão despreparada sou. Percebo, ainda mais, minha despreparação para viver, o quão "errado" vivo.
Êta final de semana difícil! Minha cara mãemãe passou mal todo fim de semana e no fim do fim de semana recebo essa notícia.
É para perceber que expirar para uns é inspirar para outros.
É aprender com a dor.
É sentir o nada e sofrer com tudo.
É recomeçar, reviver, relacionar, reorganizar, responsabilizar, reestruturar, reescrever...
É viver, simplesmente, viver.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008


Escrever sobre o mundo, sobre os discursos do mundo, o discurso dos mundos. Escrever sobre algo além, "além do bem e do mal", sem verdades absolutas, sem mentiras permanentes. Reescrever o saber do mundo, o entender das coisas. Sentir as mudanças, entender as diferenças.
Sentir, sonhar, subverter...
Analisar o discurso não é julgar, é compreender as práticas socias que mantêm e reproduzem, discursos, mantenedores de ideologias (Thompson), de relações de domínio, de violências.
Analisar o discurso é tomar consciência crítica em relação as práticas sociais.